segunda-feira, 13 de abril de 2009

Como tornar o Benfica campeão?

Em termos pessoais, esta entrada no blogue tem um carácter especial. Para os leitores espero que, ultrapassado o impacto inicial, contribua para pôr a família benfiquista num estado permanente de tertúlia. Faço votos para que o artigo anterior constitua o ponto prévio para uma reflexão séria e um debate elevado. No fundo, é isso que me move: trocar comentários e esperar que os sócios e adeptos encarnados se unam em prol de um Benfica vitorioso.

SL Benfica 0-1 AA Coimbra

Fica difícil saber por onde começar. Poderia escrever a crónica da partida frente à Académica, embora seja mais relevante perspectivar as repercussões que podem advir desta derrota. De qualquer modo, o dia 11 de Abril de 2009 não foi muito diferente dos sentimentos vividos a 11 de Abril de 2008 com o 'bónus' de ambos os resultados poderem ser explicados através da visão de um adepto da Académica. Exactamente um ano depois, a história repete-se e o desfecho actual resulta dramático: o Benfica perde praticamente a hipótese de chegar ao título e o 2.º lugar, de acesso à pré-eliminatória da 'champions league', fica mais distante. Péssimo cenário em termos desportivos. Provável descalabro quanto ao aspecto financeiro.

Eleições em Outubro?

Durante esta semana, os actuais responsáveis encarnados - direcção, director desportivo e treinador - não vão ter tarefa fácil, para lidar com as capas dos jornais e com a pressão dos sócios. Tudo isto é lamentável. Mais uma vez, os adeptos presentes brindaram-nos com a solução mais fácil: mostrar lenços brancos ao treinador. Imagem que se repete, ano após ano. Tal como já escrevi, também acredito que o problema está no topo da pirâmide. Oxalá, a solução fique mais transparente aos olhos de todos nós. Uma coisa é certa: sou favorável à marcação de eleições antecipadas.

Rui Costa

Em qualquer cenário, não abdico de uma pessoa que vive o Benfica de forma tão ou mais (de certeza) apaixonada do que eu e que entrou naquele (no antigo) estádio com menos de 10 anos. Tanto eu, como, não estou enganado, a grande maioria dos benfiquistas não esquece a racionalidade - está sempre presente - mas o coração, duplamente encarnado, identifica-se e segue aqueles que sentem as vitórias e derrotas como todos nós. Resumindo, para mim Rui Costa será figura primordial, qualquer que seja o resultado das eleições, quer a actual direcção se mantenha, quer outra candidatura conquiste o apoio dos sócios.

SL Benfica: sentir, pensar e debater o clube

Volto a afimar: perante a situação presente e o panorama futuro, não é nada fácil sistematizar um histórico encarnado e branco. Até porque, o meu pensamento levar-me-ia a desenvolver rebuscadas teorias sobre os erros cometidos e a imaginar soluções maravilhosas capazes de trazer de volta a mística, as vitórias e os troféus. Haveria tanto para dizer que a informação emitida tem mesmo de sair a conta-gotas. Nestas alturas, as palavras soam sempre a pouco. O momento actual vai no sentido do meu apelo à reflexão e mobilização do maior número de benfiquistas para tertúlias conjuntas que se revelem conclusivas em pontos essenciais.

José Veiga

Chegamos à melhor parte. No Mágico SLB, a certa altura, na caixa de comentários, José Marinho escreveu o seguinte:

"Ontem estive com José Veiga e uma outra pessoa, que solicitou-me a assinatura de Veiga no seu livro 'Como tornar o Benfica campeão'. Perguntei-lhe se queria que o próprio José Veiga o fizesse pessoalmente. Assim foi, o José Veiga aceitou fazê-lo e aceitou conhecer essa pessoa. Porque é uma pessoa simples, porque é uma pessoa que não constrói barreiras na sua relação com os outros. Devo dizer que essa pessoa, um grande benfiquista, mantinha enormes reservas em relação a Veiga - por causa da sua ligação ao FC Porto e por causa da imagem de José Veiga que está construida em Portugal - e quis convencer-se pessoalmente do muito que tenho aqui escrito e defendido sobre o antigo director desportivo do Benfica".

Quem é essa pessoa a que José Marinho faz referência? Pois bem, fui eu que tive o privilégio de estar perante uma personalidade que não deixa ninguém indiferente. Aquando do lançamento do 'Anuário do Futebol Mundial 2008/09', merecidamente destacado neste espaço, José Marinho perguntou-me se queria um autógrafo dado pelo principal protagonista do livro 'Como tornar o Benfica campeão'. Assim foi, com o 'bónus' de estar na presença do próprio José Veiga.

O encontro foi marcado para as 15h00, da passada quinta-feira, e prolongou-se até cerca das 16h30. Foram quase duas horas na companhia de uma figura que reúne uma história de vida para contar, dono de uma experiência ímpar no mundo do futebol. Tal como previa, José Veiga demonstrou um grande carisma e uma enorme força interior: sem dúvida, uma personalidade fortíssima. Curiosamente, não obstante ficarem vincadas, à 'flor da pele', características pessoais associadas à autoridade, disciplina e liderança, mais que não seja pelo discurso certeiro e apurado, o nervosismo inicial foi rapidamente ultrapassado pela abertura e boa disposição reveladas. Muito sinceramente, a primeira impressão foi extremamente positiva: José Veiga dispõe de um trato fácil, colocando o seu interlocutor à-vontade para intervir e dialogar em plano de igualdade.

Como devem calcular, existe um ou outro episódio que merece o rótulo de foro privado. Espero que compreendam. No entanto, ao contrário do que alguns possam pensar, o encontro não se assemelhou a nenhuma reunião secreta, com matérias catalogadas como estritamente confidenciais, quase como se fosse parte de um intrincado plano conspirativo. Longe disso. Então, afinal, perguntam vocês: falámos sobre o quê?

José Veiga começou por perguntar-me como teve início a minha paixão pelo Benfica, qual a minha relação com o futebol e o que fazia em termos profissionais. Referi-lhe este 'cantinho' chamado Catenaccio e aproveitei a oportunidade para colocar questões relacionadas com a minha Dissertação de Mestrado sobre as SAD's, a qual mereceu especial atenção, talvez pelo facto de ter sido empresário de jogadores. Conversámos sobre a questão da gestão de activos, leia-se direitos de inscrição desportiva sobre jogadores profissionais, calcorreámos aspectos ligados à prospecção de jovens talentos, inclusive sobre ferramentas de análise vocacionadas para o 'scouting' e debatemos a relação da formação com a política económico-financeira.

Depois, sem querer desrespeitar o teor particular da conversa, diria que o Benfica preencheu grande parte da tertúlia, nomeadamente alguns momentos vividos pelo próprio enquanto director desportivo passando, obrigatoriamente, pela época do último título: a experiência de Trapattoni, a blindagem de balneário, a qualidade do plantel, a importância dos sócios (adeptos) e a grandiosidade do clube. Em termos gerais, diria que o diálogo mantido foi um reavivar das memórias incluídas no livro. Com a diferença em que parte dos espisódios foi contada pela voz do próprio. Como é óbvio, tem outro impacto.

Em suma: agradeço a amabilidade de José Marinho em ter-me proporcionado uma rara oportunidade de estar na presença de uma personagem ligada à história recente do Benfica. Um momento único. Porém, é escusado questionarem-me sobre uma suposta candidatura, porque pura e simplesmente... não há candidato! Ainda por cima, creio que o Benfica não deveria estar dependente da boa vontade de um indivíduo, de forma isolada, sem considerar a constituição de uma equipa de trabalho e pôr em cima mesa a definição de uma estratégia global, orientada desde - direccção da SAD, director desportivo, treinador/equipa técnica, escolha do plantel, política de formação, modalidades, gestão económico/financeira, entre outras. Dizer mais do que isto, seria passar a fronteira do razoável para entrar no universo dos boatos e suposições.

Volto a repetir: foram, praticamente, duas horas muito bem passadas, sendo um privilégio ter gozado desta ocasião. Agora, como costumo dizer: a confiança não se ganha num olhar; conquista-se com a convivência, através da 'leitura' de actos e comportamentos. O encontro superou as expectativas? Sim, indubitavelmente. A primeira impressão foi positiva? Sem dúvida. Por vezes, na blogosfera, temos o hábito (do qual também me penitencio) de tecer considerações sem conhecer directamente as pessoas. Na maioria das vezes, a nossa opinião também está condicionada pela nossa ignorância, isto é, influenciada por desconhecimentos práticos ou por preconceitos dos quais até perdemos a origem. Humildemente, esta crónica está muito longe de identificar e resolver os problemas do Benfica. Espero, porém, ter levemente contribuído para que os benfiquistas reflictam e debatam seriamente sobre as soluções.

25 comentários:

AK 47 disse...

Peço desculpa, mas provavelmente perdi-me no raciocínio....este post serve então para quê? Para convencer os que achavam que José Veiga era o "lobo mau" de que não o é? Ou que o facto de ser dragão de ouro, não é impeditivo de contribuir para o Benfica seja como Director Desportivo ou como Presidente?
Tenho na minha memória 3 pontos. Pontos estes que não põem em causa a pessoa, mas sim as acções e maneira de estar que esta pessoa tem tido na vida.
Ponto 1. As dezenas de contratações ( e consequentes percentagens ) que foram feitas pelo Sr Veiga, e a pouca eficácia das mesmas, inclusive prejudicial em casos específicos como seja o Ricardo Rocha, ou o Tiago....
Ponto 2. a forma trágica como soube lidar com as suas empresas, quer em Portugal, quer no Estrangeiro...
Ponto 3. Em vi com os olhos que a terra vai comer, a forma pouco leal, e sobretudo pouco Benfiquista como o Sr. Veiga, juntamente com o realizador de cinema António Pedro Vasconcelos, preparam uma manifestação e consequente tomada de poder (falhada)Do Benfica na epoca transacta. E vi eu, e todos os empregados do Restaurante do Corte Ingles que os atenderam na Sala privada a pedido do Sr José Veiga.

Em conclusão. Acredito que o Sr Nuno também seja boa pessoa, quando quer e para quem quer ate porque é de boas familias, o mesmo do Dr. Isaltino, e da Drª Fátima, mas a verdade é que pouco me interessa, são pessoas prejudicias para os meus interesses, sejam nacionais, sejam desportivos.

Com os meus melhores cumprimentos.

Catenaccio disse...

Este post serve para isto mesmo: trocar comentários e debater a vida (futuro) do clube.

Outra coisa: se tive o privilégio de estar na presença de uma pessoa que, quer queiramos, quer não, faz parte da história recente do Benfica, porque não partilhar a experiência?

Depois, a última frase do artigo resume tudo. Não há segundas intenções.

Só uma pergunta final: quem é o Sr. Nuno?

AK 47 disse...

Hehehe.
Sr. Jorge Nuno Pinto da Costa....
Eu acredito, que desportivamente, o Benfica não tem tido bons resultados. E sei que o Luís Filipe Vieira, não é o presidente que gostava de ter. Não pelo facto de ser sócio de todos os clubes que lhe convém profissionalmente (Promoção Imobiliária) mas também pela forma pouco clara como foi fazendo a sua fortuna, e sobretudo pelas suas poucas capacidades de análise e gestão desportivas.
Mas considero que actualmente o Benfica não poderia estar em melhores mãos. Acho que o Rui Costa, sabes mais de gestão desportiva a dormir, que eu acordado e a estudar 10 anos.
Acho que embora sejam incompreensíveis certas decisões e contratações, a equipa técnica e o Rui Costa tem todo o meu apoio. Apenas obrigaria que houvesse um interlocutor de jeito, e fosse dada mais liberdade decisiva no Benfica ao Rui.
Isto será em principio impossível, porque os moldes como são tomadas as decisões desportivas na SAD, e no Benfica, não permitem que se faça como no Porto, em que no final de um jogo em que se perde em casa com a Naval, o Sr Ribeiro Teles com mais dois capangas vá a casa de 2-3 jogadores com a rescisão de contracto na mão, e que lhes diga que se não querem jogar no Porto acaba já ali aquela M****, que o Porto não é o Benfica, que eles tem de comer a Relva á refeição e marcar uns golos á sobremesa.
E chamo o Porto, porque infelizmente para mim é a realidade nacional do sucesso desportivo. Com bons ou maus treinadores, mais ou menos árbitros...mais ou menos pu***...
As coisas só la vão com o tempo. Com desilusões e alegrias numa equipa estável, e coordenada.
Está bom de ver que se o Benfica perda mais algum jogo, o Quique faz como o Camacho e põem-se na vergonha.
Para concluir quero dar-te os parabéns pelo Blog. è dos que mais prazer me dá a ler. Boas análises, bem escritas.

Alguém sabe o numero de Sócio daquele tipo da RTP Porto? Ele alguma vez o referiu?

Catenaccio disse...

AK 47,

Obrigado pelo elogio. Também agradeço os comentários.

Quero resumir o seguinte:

Para mim, Rui Costa é intocável. Por tudo e mais alguma coisa.

Por mim, Quique Flores também poderia continuar, ainda que a não classificação para a 'champions league' - já nem falo do título - seja um duro golpe. É tempo de acabar com o (velho) hábito de mudar o treinador. Isso tem sido apanágio dos últimos 15 anos, certo? Se calhar, é tempo de repensar a fórmula.

Sou a favor de eleições antecipadas. Porque a época tem início em Agosto e as eleições, em Outubro, podem ser um foco de desestabilização tremendo, desde a excessiva cobertura que a imprensa fará do tema, até à instabilidade que pode ser criada para dentro do balneário. Em Outubro, a época levará cerca de 3 meses de competição e seria muito arriscado hipotecar os meses seguintes, caso uma outra candidatura levasse a melhor. Quer queiramos, quer não, sabemos que qualquer resultado, bom ou mau, seria uma 'arma' de arremesso na campanha e o Benfica merece ser discutido a um nível mais elevado, de forma estrutural.

No entanto, eleições antecipadas não significa que o actual treinador e director desportivo não mantivessem o seu trabalho. Até porque gostaria que uma futura direcção, qualquer que ela seja, aproveitasse algum do trabalho feito. Como tenho vindo a referir, o verdadeiro problema está a montante do clube, no topo da pirâmide. Da parte do presidente, seria um acto de benfiquismo a convocação dessas eleições. O contrário, é um acto de egoísmo, típico de quem olha só para os seus interesses pessoais.

P.S. Aquela do Sr. Nuno é imperdoável. Devia estar a 'dormir'.

apenasfutebol disse...

Boas, Ricardo,

Quando li esse comentário do José Marinho, pensei em ti. Confirmou-se. É assim...a única coisa que consigo afirmar neste momento delicado é que urge reflectir, discutir, analisar o Benfica. Estou disposto a fazê-lo a 100%, com os benfiquistas - e apenas os benfiquistas, que isto fique bem claro.

Abraço e até quarta

Constantino disse...

Tal como já referi aqui, sou a favor da permanencia do Quique e a favor de eleiçoes antecipadas. Infelizmente já não vamos entrar em nenhuma fase decisiva do campeonato, portanto não se pode falar de desestabilização da equipa com eleições antecipadas. Há quem defenda que uma direcção eleita em junho não teria capacidade para preparar logo a época. Em minha opinião essa época já tem que estar a ser preparada neste momento pelo rui costa (e vamos partir do principio de que nenhum candidatos e atreve a por em causa a permanencia dele), pelo que essas mesmas eleições não teriam impacto negativo na preparação da época, ao contrario do que sucederia com uma mudança de direcção com 2 meses de época. Cingir essa eleição à permanencia ou não do treinador é que pode ser o grande erro. Mais do que votar no treinador o socio do SLB tem que votar no projecto (é comparavel à historia dos jogadores que os candidatos trazem no bolso). Neste momento o que realmente me preocupa é não ver no horizonte alguem que seja, em minha opinião, alternativa a esta direcção. Já o referi no meu blog, penso que um bom presidente seria o Humberto Coelho, mas ele ainda tem a mania que é treinador. Outro que smepre me ficou na memoria como o grande erro dos socios foi o Luis Tadeu, que provou ser benfiquista ao nunca mais aparecer, tipo jaime antunes, para bater no ceguinho. Bagão Felix vai ser candidato, mas não me parece viavel e Gaspar Ramos tambem se assume como possibilidade, mas falta-lhe o carisma. No meio aparece o Jose Veiga, o fantasma desta direcção e do qual ainda tenho sérias duvidas, benfiquista ou birra pessoal? Trocando por miudos, fernando Martins ou LFV? Mas como diria o Trapp, ele quer ser presidente do SLB, para que não haja duvidas!!

Ricardo disse...

Olá Ricardo!

Antes de qualquer outra coisa, impõe-se uma "justificação" para o meu silêncio neste post: tive uma fase de cerca de 3 semanas em que o acesso à net foi reduzidíssimo, o que fez com que não pudesse estar tão em cima dos acontecimentos como normalmente estou. No entanto, dizer que li o que foste escrevendo e elogio especialmente este e o
ultimo post, talvez por, além da qualidade evidente dos mesmos, dizerem respeito ao meu, ao nosso, clube. :)

Chegando ao post:

Confesso a minha admiração por esta onda em torno de Veiga. Tenho acompanhado com agrado o regresso do José Marinho à blogosfera e, com algumas dúvidas, o seu discurso bastante elogioso para com José Veiga. Não que duvide da veracidade e honestidade das palavras do José - de quem tenho a maior admiração -, mas por esta reformulação da imagem de Veiga ser, a meu ver, algo curiosa, principalmente pelo momento eu vivemos e pelo que se aproxima, as eleições. Resumindo: aceito que Veiga possa ser uma pessoa bem mais lúcida e respeitável do que a imagem que quiseram criar dele nos meios de comunicação mas não me esqueço de algumas atitudes e comportamente do mesmo, aquando da sua passagem pelo Benfica. Não é uma pessoa que eu defenda a sete pés para liderar o futebol no Benfica mas dou o benefício de dúvida, principalmente aos que, como tu, com ele contactaram e puderam, olhos nos olhos, conhecer-lhe as ideias. Isso, contacto pessoal, valerá sempre muito mais do que qualquer teoria conspirativa ou maldosa ou apenas fruto da ignorância, como dizes.

No resto, espero que Vieira saia em Outubro. E espero que Quique permaneça. Quanto ao Rui Costa, quero-o no Benfica, mas há uma questão que não me sai da cabeça: será Rui Costa capaz de abdicar do homem que o lançou no cargo e decidir-se por uma aproximação a um outro candidato?

Quem quiser que responda.

Grande Abraço!

A.Saraiva disse...

Ora aí está uma excelente questão, Ricardo.

E será que faz sentido condicionarmos uma eventual mudança pelo facto de Rui Costa fazer parte dela ou não?

Na minha opinião não faz sentido. Se Rui Costa se mantiver ligado a Vieira, lamento mas dificilmente terá o meu voto.

Roberto disse...

Acho que o verdadeiro problema do Benfica é o nosso presidente. Precisamos de um verdadeiro líder que implemente ordem e disciplina dentro do clube. Em vez disso temos um fala barato em que o seu principal objectivo é focar os erros dos outros clubes e nunca olhando para a politica fraca que aplica no nosso glorioso. Gostava de chamar atenção tambem para o facto do sr. LFV NÃO APOIAR AS SUAS CLAQUES, POIS SOMOS O UNICO CLUBE DOS GRANDES(E O MAIOR) EM QUE NENHUMA DAS CLAQUES É APOIADA. JA ESTA ESTA MAIS QUE NA ALTURA DE ISSO MUDAR.

Obscure disse...

Nenhum gestor/presidente/administrador pode alguma vez discutir ou admitir na praça publica os erros, isso colocaria o Benfica numa posição ainda mais fraca e instável do que já esta em termos da gestão desportiva em termo do desporto futebol.

LF disse...

Creio que devemos ter em atenção que o problema do Benfica é, neste momento, meramente desportivo.
Pôr em causa a direcção é pôr em causa uma série de princípios que outros poderão não assegurar, como por exemplo o modelo institucional (maioria do capital da SAD nãos mãos dos sócios), o eclectismo, sem falar no equilíbrio financeiro.

Não me parece que existam motivos para antecipar eleições. Mas se isso acontecer, o principal beneficiado será o próprio Luís Filipe Vieira.

Não ponho em causa o benfiquismo de José Veiga (se ele diz eu acredito). E acho que o seu trabalho no Benfica teve pontos positivos.
Mas também não esqueço as saidas de Tiago, Miguel, Ricardo Rocha, Geovanni, João Pereira, Karagounis etc. Nem as contratações de Marcel (4 milhões !!!), Manduca, Amoreirinha, José Rui, Manú, Yannick, Marco Ferreira, Laurent Robert (também vários milhões) entre outros fracassos.

Foi por causa dele que Alvaro Magalhães saíu.

Também não me esqueço que no passado foi Veiga que tirou Paulo Sousa do Benfica, foi Veiga que pôs João Pinto no Sporting entre outros negócios em que o Benfica saíu penalizado.

Por isso, não creio que José Veiga possa ser alternativa para o Benfica. Até porque a sua entrada era a saída de Rui Costa pela outro porta.

Um abraço

Luís Fialho

Puskas disse...

Penso que o grande problema do Benfica seja a LIDERANÇA...

O Rui Costa (que fique no clube muitos anos) não tem o "estofo" de líder que, por exemplo, tem José Veiga.

Mas não posso esquecer que este é o primeiro ano do Rui, e aconteça o que acontecer este é daqueles que tem que permanecer longos anos no Benfica.

Catenaccio (desculpa, não sei o teu nome), mais um grande texto.

Catenaccio disse...

Vou tentar responder a todos individualmente.

Constantino,

Obrigado pelo comentário. Pertinente, como sempre: "Neste momento o que realmente me preocupa é não ver no horizonte alguem que seja, em minha opinião, alternativa a esta direcção". Sim, é verdade. Penso, porém, que no final da Liga tudo ficará mais claro. Nesse aspecto, o posicionamento de Rui Costa vai ser decisivo.

Entretanto, o problema não tem a ver com a preparação da próxima época, mas sim com o antes, durante e imediatamente depois das eleições de Outubro. A desestabilização interna/externa que referi é um ponto importante, mas também o seguinte cenário: imagina que um candidato adversário de Luís Filipe Vieira ganha as eleições. Qual a decisão em termos desportivos? Mantém o director desportivo e o treinador? E o plantel? Lembra-se do caso de Vilarinho em que o seu treinador era Toni? Por causa disso (entre outras coisas), saíu o Mourinho. Por todas as razões e mais algumas, é uma altura má que pode condicionar o sucesso da época 2009/10.

Quanto aos nomes que avançaste, concordo na generalidade com o 'retrato' feito.

Abraço.

Catenaccio disse...

Ricardo,

Agradeço, também, o comentário. Em geral, estamos em sintonia com a visão que temos do clube. Vou destacar esta parte:

"No resto, espero que Vieira saia em Outubro. E espero que Quique permaneça. Quanto ao Rui Costa, quero-o no Benfica, mas há uma questão que não me sai da cabeça: será Rui Costa capaz de abdicar do homem que o lançou no cargo e decidir-se por uma aproximação a um outro candidato"?

Colocaste imensas questões que só o tempo saberá responder. Sinceramente, gostava que o Rui Costa não fizesse 'fretes' e mantivesse uma relação equidistante com as várias candidaturas. Não vejo (nem muitos benfiquistas) o Rui Costa como o director desportivo de Vieira, mas sim como o director desportivo do Benfica. É altura de ele olhar-se ao espelho, ver o que representa e aquilo que quer ser.

Grande abraço.

Catenaccio disse...

A. Saraiva,

Vou pegar no que escreveste, para responder:

"E será que faz sentido condicionarmos uma eventual mudança pelo facto de Rui Costa fazer parte dela ou não"?

Sim, apesar de tudo penso que condiciona. Pelas razões que já apontei em diversos artigos: não há dúvida que os benfiquistas seguem o coração e Rui Costa faz parte desse sentimento com enorme admiração e respeito.

"Na minha opinião não faz sentido. Se Rui Costa se mantiver ligado a Vieira, lamento mas dificilmente terá o meu voto".

Eu entendo. Assumo, desde já, que nunca votarei em Vieira, nem que apareça de braço dado com o Scolari e o 'Minino'. Nunca votei nele e, portanto, muito menos agora. Disso, não tenho dúvidas. A diferença é que se Rui Costa estiver do lado do actual presidente posso, em eventuais circunstâncias, votar em branco. Se estiver equidistante, ou próximo de outro lado que me agrade, então votarei na lista adversária à de Vieira.

Resumindo: a minha opção está entre votar em branco ou numa candidatura que surja com um programa/equipa que dê garantias de sucesso desportivo.

Abraço.

Catenaccio disse...

Roberto e Obscure,

Também sou da opinião que a liderança, centrada no responsável máximo do clube, deixa muito a desejar. Principalmente quando colocamos os resultados desportivos no 'prato da balança'. O resto vem por acréscimo.

Obrigado pela vossa contribuição. Comentem sempre!

Catenaccio disse...

Luís Fialho,

É sempre uma mais-valia tê-lo connosco.

O (principal) problema do Benfica é desportivo, mas tem motivos institucionais que vão muito para além da competência (ou não) de Quique Flores e da (in)experiência de Rui Costa.

Ao colocar a direcção em causa, não estou a subverter a lógica do modelo institucional. A maioria do capital da SAD nas mãos dos sócios não depende da direcção "a" ou "b", mas da vontade dos sócios. Quanto ao ecletismo e equilíbrio financeiro, teríamos muito espaço de desenvolvimento, logo é fundamental analisar o(s) programa(s).

Penso que existem mais do que razões para eleições apresentadas, pelos argumentos que enumerei. Concordo, no entanto, com a ideia de Luís Filipe Vieira ser beneficiado nesse cenário. Neste aspecto, não olho a candidaturas, mas aquilo que seria melhor para o Benfica.

Bem, quanto aos nomes de jogadores que referiste, isso traz um 'pau de dois bicos'. Por um lado, dessas muitas saídas/contratações depreende-se que existiu solidariedade, nas decisões, entre o director desportivo da altura (José Veiga) e a própria direcção da SAD que terá tido, naturalmente, o seu peso nas escolhas tomadas.

De qualquer modo, sendo certo que saíram Tiago, Miguel, Ricardo Rocha, Geovanni, entre outros, também não deixa de ser verdade que saíram Anderson (Lyon), Manuel Fernandes (Valência), Bergessio (San Lorenzo) e Simão (Atl. Madrid). Aliás, os contornos do negócio da saída do capitão (contrária à opinião de José Veiga) nunca ficaram devidamente esclarecidos...

Comunicado CMVM: http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/FR14385.pdf

Pergunto: onde estão os dois atletas do clube espanhol, sujeitos a direito de opção?

Falou-me de Marcel. Diga-me, então, uma coisa: quais os dividendos desportivos e financeiros da aquisição de Makukula, no reinado pós-José Veiga?

Comunicado CMVM: http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/FR16614.pdf

Qual a lógica subjacente à vinda de Andrés Diaz? Como enunciou as entradas de Manduca, Amoreirinha, José Rui, Manú, entre muitos mais, que me diz dos fracassos Sretenovic, Luís Filipe, Freddy Adu (USD 2.000.000.), Javier Balboa (montante de 4 milhões de euros), entre outros?

Curiosamente, com ou sem José Veiga, com ou sem Rui Costa, existe um denominador comum a todos os fracassos (foi essa a palavra que utilizou) respeitantes a más opções de política desportiva. Só mais uma coisa: esses elementos todos vindos do Alverca serviram para melhorar o plantel do Benfica ou para beneficiar um ex-presidente dessa colectividade, entretanto desaparecida?

Quanto aos dois parágrafos seguintes, tenho dúvidas. Desconheço se Álvaro Magalhães saíu por causa de José Veiga e não sei até que ponto será verdade a sua colaboração nas transferências de Paulo Sousa e João Pinto. Já ouvi dizer que José Veiga só intermediou a saída de Paulo Sousa do Sporting para a Juventus e não antes. Como também não se pode dizer que foi José Veiga que pôs João Pinto no Sporting, isso é uma falsidade intelectual, pois foi João Vale e Azevedo que "correu" com o chamado 'menino de ouro'. Em resumo, existe muita contra-informação e não é tarefa fácil assumir de que lado está a razão e a verdade.

Para terminar, escreveu que "a entrada de José Veiga era a saída de Rui Costa pela outra porta". Não estaria tão certo disso...

Abraço e apareça sempre!

Aurelio Estorninho disse...

para o benfas ser campeão, basta comprar uma playstation e aprender a jogar.
simples não?

LF disse...

É evidente que quem está no topo da pirâmide é também responsável por tudo.

E após a saída de Veiga foram feitos muitos disparates também.

O que não alinho é na ideia de que a gestão desportiva de Veiga foi fantástica, extraordinária etc, pois teve também muitos erros.

Quanto ao Rui Costa e ao Veiga, pode estar certo do que lhe digo. Julgo que nem se falam.

Um Abraço

Diogo Sousa disse...

http://mestresdofutebol.blogspot.com/2009/04/exclusivo-mestres-do-futebol-confirma.html CONFIRMAÇÃ DO EXCLUSIVO!

sondagensgloriosas disse...

Participa no blogue sondagensgloriosas.blogspot.com respondendo a questões pertinentes sobre o Glorioso Benfica e sugere perguntas para serem colocadas em sondagem.

A opinião de todos os Benfiquistas é fundamental.

dezazucr disse...

"Se Rui Costa se mantiver ligado a Vieira, lamento mas dificilmente terá o meu voto."

Idem.

Não devemos colocar o homem à frente da instituição. Para mim o Benfica é o Benfica e não pode estar condicionado a uma pessoa. Isto sem qualquer desprimor pelo trabalho do Rui, que julgo ter dotado o Benfica de bons jogadores, e até mesmo de treinador, que eu próprio na altura sugeri, apesar de neste momento me sentir defraudado e desiludido. Apenas um senão... Rui parece-me demasiado mole com a própria equipa. Falta cultura de exigência no clube e o Rui devería contribuir que essa exigência se alastrasse aos jogadores. Não basta ter bons jogadores, algo que julgo é indesmentível que temos este ano, é necessário que eles deixem a pele em campo e quando isso não acontece é necessário alguma duresa com os jogadores de modo a perceberem para que estão cá. Não basta dizer que o treinador é que falha e desculpabilizar o Rui por isso. Se tiver uma empresa e contratar um chefe de projecto para algum projecto importante, a partir do momento em que o mesmo começa a descarrilar, chamo esse mesmo chefe e chamo-o a atenção propondo a minha ajuda no que fôr necessário, não fico à espera do projecto acabar com o resultado negativo para dizer que a culpa foi dele que geriu mal a coisa. Falta isso ao Rui. Acredito que este ano tenha sido também de aprendizagem para ele, mas essa é uma das suas facetas que parece-me por apurar.
O Benfica não tem cultura de exigência, nem com jogadores nem com treinadores e isso é necessário mudar.

dezazucr disse...

Ah, quanto ao Veiga, sinceramente, alguém que traz como treinador do Benfica um perdedor como o Fernando Santos e desbarata a possibilidade de um bi-campeonato acabar com a hegemonia do porto, julgo que não tem muito a seu favor. Isto para além do camião de jogadores que trouxe para o Benfica na altura que esteve por cá, muitos que nem chegaram sequer a "calçar".

Por muito boas intenções que tenha, não obrigado.

José Marinho disse...

"Ah, quanto ao Veiga, sinceramente, alguém que traz como treinador do Benfica um perdedor como o Fernando Santos e desbarata a possibilidade de um bi-campeonato acabar com a hegemonia do porto, julgo que não tem muito a seu favor. Isto para além do camião de jogadores que trouxe para o Benfica na altura que esteve por cá, muitos que nem chegaram sequer a "calçar"."

Meu caro, Dezazucr, creio que se engana em dois pontos. Em primeiro lugar, o "perdedor", como o meu caro define o Fernando Santos, teria ganho campeonato se José Veiga não se tem afastado do cargo de director-desportivo. Como igualmente é reconhecido por muitos benfiquistas - eu situo-me à cabeça desse pelotão - o Benfica de Fernando Santos foi a equipa do nosso clube, em quase vinte anos, que mais se aproximou do meu ideal desportivo. Uma equipa estruturalmente forte, tacticamente correcta e jogando um futebol, amiudadas vezes, elegante, dominador e muito plástico. Recordo um jogo no estádio da Luz, diante do Boavista, que terminou com o resultado de 0-0 e quatro bolas nos ferros da baliza de William. Sai de barriga cheia, apesar do empate, porque o Benfica, nessa noite, jogara imperialmente. À Benfica.
Outra correcção, meu caro, em relação ao camião de jogadores contratados por Veiga. Não é certo o que escreve. Só em duas épocas, o Benfica contratou ao Alverca, sete jogadores. É verdade, SETE jogadores ao Alverca. E das uma, ou nas épocas anteriores, o Alverca devia ter sido candidato ao título, ou na época seguinte, o Benfica devia ter sido candidato à descida. Seja o que for, é que mesmo assim, o Benfica, devido à sagacidade de um treinador e à força de um director-desportivo, o Benfica foi campeão. E gostaria de lhe dizer, que na primeira época de José Veiga como director-desportivo, além de cinco jogadores do Alverca, o Benfica recebeu Paulo Almeida, contratado em Janeiro, antes da entrada de Veiga no Benfica e Karadas estava praticamente contratado assim que José Veiga iniciou funções. Duas contratações com o aval de Camacho, se bem se lembra, acabou por sair do Benfica. Por isso, esse camião de jogadores é muito relativo, é mesmo muitíssimo relativo. Mas nesse camião. apenas no da sua responsabilidade, podemos colocar Karagounis, Miccoli, Nuno Assis, Nélson, David Luiz, Léo, Manduca - um jogador incrivelmente desaproveitado no Benfica - Marcel - era um dos melhores pontas-de-lança do campeonato quando foi contratado - e até Moretto, pois, se bem se lembra, quando assinou contrato era considerado como o guarda-redes de maior potencial na liga portuguesa. E já nem falo da iminente contratação de Tomasson. E mais acrescento, que nenhum desses camiões custou ao Benfica trinta milhões de euros, como este ano, nem 25 milhões, o dinheiro gasto pelo Benfica em contratações, na época passada. Desculpe este esclarecimento, mas as reflexões que todos fazemos sobre o futuro do Benfica serão sempre tão mais relevantes quanto maior for o respeito pela verdade das coisas. Um abraço.

Danyro disse...

Olá bom dia sou administrador dum blog sobre o fc porto em http://dragaomadeirense.blogspot.com e queria saber da possibilidade de fazermos parceira e publicidade.
Que achas da proposta?
Cumprimentos
danyro