terça-feira, 27 de outubro de 2009

[Liga Sagres] 8.ª jornada: SL Benfica 6-1 Nacional

Mais uma vitória. Mais uma fantástica exibição, coroada por número expressivos. Efectivamente, começam a faltar adjectivos para este início de época tão avassalador. Contando os jogos a que assisti no Estádio da Luz (Vitória de Setúbal 8, Bate Borisov 2, Leixões 5, Everton 5 e Nacional 6), a média de golos faz parecer que estamos na presença daquele ritmo frenético do hóquei em patins. Para que Manuel Machado entenda, refiro-me ao seguinte: jogo desportivo de equipa praticado em campo, sobre o gelo ou em patins e cujo objectivo é introduzir nas redes da baliza adversária uma pequena bola ou disco (no hóquei sobre o gelo), batendo-a com o stick. Puro engano: é mesmo de futebol que se trata, muito embora, na maioria das vezes, mais pareça que os nossos jogadores deslizam pelo relvado, como se tivessem patins... por falar no treinador do Nacional, um último comentário: um cretino é um cretino; um tesourinho deprimente é um manancial, fonte de bens (grande quantidade de ouro, prata, coisas preciosas), graças, virtudes que abate as forças, humilhante, aviltante. Estamos entendidos, ou é preciso um dicionário?

Sobre as incidências da partida, que há a dizer? Pretendem dar ênfase aos denominados casos do jogo? Quais deles? O (não) penalty cometido sobre Pablo Aimar? Os golos anulados ao Benfica, um deles claramente mal tirado? E que tal debater o golo marcado pelo Nacional em fora de jogo e a entrada do Patacas aos 42 minutos da primeira parte? Pois, se calhar é melhor deixar estes assuntos para os habituais ressabiados (desconfiados, espantadiços, melindrados, agastados, zangados), como sejam as típicas personagens que cospem azia em programas de televisão ou as confrangedoras figurinhas que destilam ódio na imprensa desportiva. A nomeação do árbitro Vasco Santos foi uma jogada curiosa, só que este ano vão ter de esforçar-se muitíssimo mais. Agora, também não abusem: por norma, as sequelas no cinema pecam na qualidade em relação ao original. Vocês sabem do que estou a falar...

Porém, apesar de toda essa 'dor de cotovelo' alheia, prefiro partilhar a vitória com os outros 47.010 espectadores que marcaram presença em mais uma gloriosa jornada. Desejava muito a vitória. Festejei muitíssimo a goleada. A melhor resposta é presenteada dentro do campo.

6 comentários:

F.L. disse...

Cattenacio,

O que achaste do coentrão a lateral esquerdo? Achas q se tornou um sério candidato ao lugar de lateral esquerdo na selecção?

Um abraço.

dezazucr disse...

Acho que já há muito mereciamos um Benfica assim... afinal, nós nunca desistimos, nunca paramos de apoiar.
Apesar de cedo, já não concebo que esta equipa não ganhe o campeonato, tal a qualidade demonstrada. Nem são os golos, mas a forma como eles são construídos. Ao nível do Barcelona meu caro!

Catenaccio disse...

F.L.,

Em relação à primeira questão, a resposta só pode ser extremamente favorável: o Fábio Coentrão esteve em grande plano, seguro a defender e muito participativo nas acções atacantes.

Quanto à segunda pergunta, a resposta só pode ser uma: depende. Depende da concepção de jogo que o seleccionador quer implementar, na medida em que o Fábio Coentrão não deixa de ser um médio-ala (extremo) mais capacitado para tarefas ofensivas. Agora, claro que pode ser uma hipótese plausível, caso o seleccionador pretenda dar mais profundidade ao flanco esquerdo, apostando num lateral de vistas largas.

Dezazucr,

Quando víamos jogos do Barcelona no ano passado, ficávamos sempre com aquele amargo de boca, espelhado na secreta interrogação: quando veremos o nosso Benfica jogar e massacrar desta forma? Felizmente, como já li na blogosfera, nesta altura não devemos invejar nenhum adepto de qualquer clube do mundo.

Cumprimentos.

apenasfutebol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
apenasfutebol disse...

Este Benfica é sublime.
É o reencontro consigo próprio. Nos últimos anos, os chamados "pequenos" cresceram um pouco enquanto o Benfica se foi enfraquecendo, como todos sabemos, devido a razões diversas. Durante os últimos anos derrotas em casa com Rio Aves e Leirias aconteceram aos montes. Algo que é, necessariamente, injustificável (seja vito por que ângulo for).

Este ano as coisas tornaram-se lógicas. Equipas com jogadores dos distritais do Brasil, com métodos de jogo mais do que arcaicos, naturalmente, são goleadas. Mas o mais interessante é que a qualidade do futebol encarnado é muita. Encantador, mesmo.
O Aimar é genial, o Di Maria e o SAviola são geniais, o Cardozo é um goleador nato, etc etc, mas o grande obreiro disto tudo é, inquestionavelmente, Jorge Jesus.
E venham mais cinco (ou seis, ou sete..).


Abraço

balentone disse...

Catenaccio, onde é que tens o cativo?

Eu tou no sector 44, tmn piso 3.